Title image

Isabelle Sabrié

Compositora, soprano, escritora

Compositora, Isabelle Sabrié é autora da harmonia ritmico-espacial :  princípios espaço-temporais baseados na proxemia observada na Natureza Amazônica. A Harmonia Ritmico-Espacial arquiteta os sons desde esquerda-direita-cima-baixo-frente-atrás dos espectadores, permitindo um equilíbrio sonoro desenvolvendo-se no espaço físico em 3 dimensões, com ritmos em 3D e sons capazes de mexer na sala toda, em músicas eruditas e populares.

Inicialmente soprano solista, foi premiada no Placido Domingo Opera World Competition, entre outros concursos, recebeu um Primeiro Prêmio de ópera do Conservatoire National Supérieur de Musique et de Danse de Paris, é diplomada em musicologia na Sorbonne-Paris IV, e foi internacionalmente convidada para cantar óperas, oratórios ou recitais. Interpretou papeis de soprano como a Rainha da Noite, Zerbinetta (Nice), até Médée ou Marguerite in 2018 para Festival Amazonas de Ópera. In memoriam Lili Boulanger, gravado com Emile Naoumoff e Olivier Charlier é divulgado até hoje pelas rádios clássicas mundiais.

Sua composição audiovisual Zon i Houé no tema da escravidão, animava pela sua voz ao vivo o quadro do pintor beninense Julien Sinzogan (com o apoio dos DICREAM-CNC, LAM-CNRS, PUCEMUSE studios). In Memoriam 26 décembre 2004, seu oratório dedicado às vítimas do tsunami na Indonésia foi apresentado em Paris em 2007.

Fascinada pelos sons da floresta Amazônica, mudou-se para Manaus-Amazonas-Brazil em 2007, onde reside atualmente. As estreias de suas obras A Fada e o Girassol (Belém Opera, Teatro da Paz, 2012), do balé Floresta Multi Espacial ou Insetoïda usaram sons eletrônicos misturados com sons humanos. Vento na Árvore, Viajar foram criadas pela orquestra Amazonas Filarmônica na regência de Marcelo de Jesus em 2016, espacializadas na ópera de Manaus. Em 2019 começou um trabalho de ritmos em 3D com grupos populares, de jazz, de dança, e prepara sua sinfonia-balé Cenas da Amazônia com as Percussions de Strasbourg.

O filósofo francês Edgar Morin, padrinho intelectual da Harmonia Ritmico-Espacial citou ela no seu livro “Conhecimento, ignorância, mistério » para suas pesquisas sobre as línguas animais. É também autora do romance de antecipação L´arme d´amour (ed. Nicolas Philippe 2002) sobre as neurociências da não-violência, neuro-força e democracia. Foi Professora de Canto na Universidade do Estado do Amazonas até 2013, Assessora Artística Especial da Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural até 2020. Desde Junho de 2020 é artista-expert do grupo « Harmony with Nature » da ONU, e se consagra às composições e criações multidisciplinares.